domingo, 6 de julho de 2008

PNDS: repercussão baixa

Os resultados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde divulgados nessa quinta-feira foram surpreendentes e, de grande importância para compreender a dinâmica social e, consequentemente de indicadores epidemiológicos. No entanto, a repercussão na mídia impressa foi baixíssima. Somente, Carta Capital lançou na capa a pesquisa. Os jornais paulistas quase ignoraram os resultados. Gostaria de entender o fato: efeito Ingrid? efeito Speed?
Por outro lado, de forma impressionante e exemplar, o Ministério da Saúde está fornecendo as tabelas em formato .sav (do software estatístico SPSS) para quem quiser começar a analisar a quantidade imensa de dados. Obviamente, de acordo com as regras do Consórcio de Informações em Saúde.
Finalmente, parabéns a essa "mulherada"....Elza, Tânia, Sandra, Suzanne, ao CEBRAP, USP, UNICAMP e, claro ao DECIT e, à comunidade "demográfica brasileira" cada vez mais conceituada e madura.

2 comentários:

Anônimo disse...

professor, acompanhei o ocorrido em alguns órgãos da imprensa escrita: Ingrid e o apagão da internet derrubaram reportagens da pesquisa já previstas.
não houve boicote porque os resultados eram "bons" ou "favoráveis ao governo" como poderão estar pensando
No entanto, a televisão deu um bom destaque.
lilian

joao ubiracy disse...

Olá Professor, quero comprimentá-lo, pela iniciativa, bem, eu só tomei conhecimento sobre esse acontecimento, pela minha professora de Pós Graduação (Gestão em Políticas Sociais - PUC MINAS), assim como toda a turma ficamos supresso pelo PNDS, porém poucos conhecia tal conduta do governo, existe por parte da mídia algo incontrolável pela "desgraça", sangue causa audiência. O mundo deveria conhecer esses dados!!!
joao.ubiracy@bol.com.br